Conheça a carta que o inventor do LSD escreveu a Steve Jobs

O cientista Albert Hofmann escrevera ao CEO da Apple para pedir ajuda em estudos sobre a polêmica droga, a qual ele chamava de “criança problemática”

Um artigo publicado pelo jornal americano Huffington Post revelou um caso fascinante ligado ao CEO da Apple. Em 2007, com 101 anos e perto de falecer, o inventor da poderosa e polêmica droga LSD, Albert Hofmann, escreveu uma até então inédita carta a Steve Jobs, onde solicitava ajuda na transformação de sua criação, a que se referia como “criança problemática”, em uma “criança maravilhosa”.

As experiências de Steve Jobs com drogas lisérgicas são conhecidas e bem documentadas em diversas publicações. O CEO da Apple chegou inclusive a declarar que fora uma das “duas ou três” experiências mais importantes em sua vida.

steve_jobs+LSD

Tomar LSD foi um uma experiência profunda, uma das coisas mais importantes na minha vida. (…) Isso reforçou meu sentimento do que era importante: criar grandes coisas em vez de fazer dinheiro.
— Steve Jobs

Hofmann pediu apoio financeiro para a MAPS, instituição que apoia pesquisas sobre os benefícios terápicos das drogas lisérgicas

Albert Hofmann em outubro de 1993. Foto: Philip H. Bailey
Albert Hofmann em outubro de 1993. Foto: Philip H. Bailey

Na carta, Hofmann usou esses argumentos, dizendo que ele estava “interessado em aprender mais sobre como o LSD fora útil” para Jobs. Hofmann pedia a Jobs apoio financeiro para a causa, em especial uma doação para a MAPS (em Português, Associação Multidisciplinar para Estudos Psicodélicos), entidade dedicada a estudar os benefícios médicos e psiquiátricos das drogas psicodélicas. A associação é ainda hoje presidida por Rick Doblin, amigo pessoal de Hofmann e também entusiasta de pesquisas com drogas.

O apelo da carta resultou em um encontro posterior de Jobs com Doblin. Durante 30 minutos, os dois conversaram sobre o assunto, mas foi só. “Ele continua pensando”, lembrou Doblin, em declaração ao jornalista Ryan Grim, autor do artigo.

Grande parte dos fundos captados pela MAPS seriam destinados à pesquisa do psiquiatra suíço Peter Gasser, que tem por objetivo estudar a psicoterapia assistida pelo uso de LSD. É o primeiro estudo do gênero em mais de 35 anos. Apesar de nenhum dinheiro ter saído dos bolsos de Jobs para a causa, a pesquisa de Gasser está a todo vapor. O pesquisador mostrou suas descobertas na área já em 2008, quando participou do World Psychedelic Forum. A pesquisa havia sido aprovada pelo governo suíço em 2007, tirando a droga da ilegalidade para fins médicos, segundo a agência Swiss Info.

Marco Andrei Kichalowsky

Editor-chefe do macnarama.com, é applemaníaco e trabalha com produtos Apple desde 1993. Foi presidente do Brasil Apple Clube durante 10 anos e colaborador da saudosa Macmania e sua herdeira MAC+ até o fim da revista em 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *