Conectar à Internet não precisa de HD

Internet Explorer 5.1 rodando no Mac OS 9Desde meados de 2000, tinha deixado para trás meu PC Pentium, meu primeiro computador, usando um PowerMac 6100 ano 1995 que eu tinha comprado em 1998 como computador do dia-a-dia. Desde que eu havia comprado o tal Mac, fiz upgrades como uma placa de vídeo AV para poder suportar resoluções de 1024×768, um adaptador (transceiver) Ethernet RJ-45 para me conectar à internet banda larga, além de upgrades de memória (para 72 MB de RAM) e de disco — um HD 2GB SCSI (PowerMacs beges não-Performa e pré-G3 só possuíam esse padrão interno) usado que eu havia comprado numa loja da região da Santa Ifigênia, em São Paulo.

Como era de se esperar, foi justamente este HD que abriu o bico no início de fevereiro de 2003. Como naquela época estava sem dinheiro para comprar um HD novo, tentei tocar a situação transitoriamente instalando no lugar do HD pifado um outro HD velhusco e que estava sem uso, um SCSI de 160 MB que antes estava na CPU de um LC III que eu havia ganho há mais de um ano numa reunião de usuários de Macintosh numa pizzaria.

Pois bem, se passaram alguns dias… E este antigo e barulhento HD de LC abriria o bico também.

Pensei: “por enquanto, vou fazer seguinte: vou reutilizar o Pentium como computador-estepe até eu comprar um HD novo para o Mac — afinal, uma placa Ethernet para PC só está a uns 30 reais”. E aí fui até a Santa Ifigênia comprar a tal placa.

Nada feito: o PC com Windows 95 não era compatível com ela. Troquei a placa por outro modelo, e não funcionou mesmo assim: de repente, era uma incompatibilidade de hardware e de software que eu não conseguia resolver. Aí, decidi que seria melhor mesmo deixar tudo isso para lá e partir para a compra de um novo HD logo, pois seria a solução definitiva.

Mas como ainda faltavam uns dias para isso acontecer e eu estava cansado de ter que ir em cibercafés para poder acessar meus sites e e-mails, matutei, matutei, matutei…

E aí veio a ideia.

O Macintosh nos sistemas clássicos (do 7 até o 9) possuía um recurso chamado disco de RAM, que permite criar uma unidade de disco virtual a partir do espaço em MB na memória RAM. No DOS/Windows, o procedimento para se criar este tipo de disco é complicado até onde eu saiba, mas no Mac OS era muito simples: bastava ativar e configurar o tamanho disco no painel de controle “Memory”. Mas como fazer o truque num Mac que nem HD possuía?

A solução foi usar um CD de instalação do System 7.5 como disco de boot e a partir dele usar o tal painel de controle, para configurar o disco de RAM. Foi o que fiz, criando um disco de RAM de 32 MB de tamanho — sobrariam outros 40 MB de RAM livres.

O pulo do gato está no fato de que o disco de RAM não era totalmente volátil — isto é, seu conteúdo só era apagado se o Mac fosse efetivamente desligado. Em reboots, o disco de RAM permaneceria intacto. E foi assim que acabei primeiro fazendo uma instalação do enxuta do System 7.5 (o mais antigo que conseguia rodar no meu 6100, e que em si só já consumia poucos MB de instalação), e depois dando o primeiro reboot, usando o disco de RAM como HD principal.

Deu certo!

A partir daí, constatei que se ele consegue rodar um sistema operacional, pode rodar outros programas também. Bom, para testar isso, configurei o TCP/IP e instalei o Internet Explorer 4, que poderia rodar naquela versão do Mac OS. Configurei, instalei, configurei e…

…funcionou! Lá estava eu, navegando na internet banda larga via ADSL, usando um Macintosh sem HD! Para registrar o feito, tirei um screenshot e postei no meu blog.

Sabendo da história, o JCVasc (Juliano Vasconcellos, o Jotacê) chegou a publicá-la num jornalzinho de grupo de usuários de Macintosh que ele editava. Se não me engano, guardo um exemplar dele com a matéria até hoje. (Nota do Macnarama: o jornal era o AppleTalk, do Brasil Apple Clube.)

Bom, fiquei usando o Macintosh sem HD por alguns dias, algumas vezes tendo que reinstalar o sistema quando eu dava Shut Down (o que não era muito complicado, visto que o sistema, por ser pequeno, era fácil e rápido de instalar).

A brincadeira acabou quando finalmente eu comprei, novamente na Santa Ifigênia, um HD SCSI de 9 GB, desta vez zero quilômetro, para meu velho companheiro 6100. Instalei o Mac OS 9.1, seus programas, configurei as preferências e tudo voltou ao normal.

Este HD ficou comigo até 2008, quando ele também abriu o bico depois de anos de uso contínuo…

Mas essa é uma outra história. 😉

__
Marcellus G. Zalotti, vulgo MaGioZal, é macmaníaco de longa data. Ele gosta de publicar suas impressões da vida em seu blog pessoal.

Um comentário em “Conectar à Internet não precisa de HD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *