Se a Apple fizesse um sistema operacional para PDAs…

Fim de semana passado andei fazendo um exercício de adivinhação, tendo idéias de como seria um sistema operacional para PDAs (Palm, PocketPC, etc) se feito pela Apple.

Primeiro, ele seria baseado em uma variação da API Cocoa, originada na especificação aberta OpenStep desenvolvida pela NeXT e implementada pela Apple e em uma versão livre pelo projeto GNUStep. Variação pois os frameworks teriam que ser limitados, já que a capacidade de armazenamento de um PDA é mais baixa.

Nos níveis inferiores, ele usaria algum kernel aberto e, por que não, baseado em UNIX. Se a idéia é usar Cocoa para o desenvolvimento, faz sentido usar logo o kernel do Darwin, que possui toda uma infraestrutura orientada a objeto para o desenvolvimento dos controladores de dispositivo. O kernel em si não é tão importante, já que os desenvolvedores de aplicativos não teriam contato direto com ele, mas sim através de Cocoa, e os desenvolvedores de controladores deveriam ter uma interface de programação simples e elegante pra que se sentissem motivados a suportar esse monte de dispositivos SDIO que existe por aí: placas wireless, GPSs, etc.

Não pensei muito sobre o sistema de arquivos. Pensei, mas não cheguei a nenhuma conclusão boa. Ele deveria usar o paradigma de diretórios e permitir nomes longos, e não ter uma estrutura plana como no PalmOS. Porém, questões de escrita e reescrita em memória flash exigiriam maiores cuidados para se desperidiçar a menor capacidade de armazenamento possível.

Aplicações seriam “bundles”, como no Mac OS. Ou seja, seriam diretórios que não precisariam ser instalados, já que seriam auto-contidos. Porém “bundles” são confusos ao se tentar mandá-los por email, ou via tranferência infra-vermelho e Bluetooth (OBEX), por isso, o sistema suportaria uma extensão do “bundle” compactada em um arquivo “tar.bz2”. Programas instalados não seriam mantidos nesse formato, mas o gerenciador de arquivos faria a serialização/deserialização automática ao enviar/receber estes arquivos, como o MacOS faz ao se enviar/receber um .app.

Aplicações básicas: Um Address Book, suportando arquivos vCard com os mesmos campos do Address Book do Mac, uma ferramenta de agenda, semelhante ao iCal (suportando arquivos .ics), um reprodutor de arquivos multimídia (pelo menos WAV, MP3, AAC, AVI e MP4), um browser simples, um programa de email, um editor simples de arquivos (texto, RTF e HTML, no mínimo), uma ferramenta de mensagens instantânes multi-protocolo. E seria ótimo se esses aplicativos exportassem sua funcionalidade através de frameworks públicos, fazendo a integração entre aplicativos fácil, ponto forte do Mac.

A interface: em cima, uma barra de menus, com o nome da aplicação e os menus. Abaixo, uma barra de ícones do tipo ‘tray’, com relógio, status da rede, do Bluetooth, WiFi, bateria, etc. Esse menu poderia ser ocultado, dando mais espaço para as aplicações. As janelas seriam sempre maximizadas utilizando toda tela, e um botão no dispositivo chamaria o exposé para se escolher entre as janelas ativas, com um botão multi-direcional (similar ao click-wheel, por que não?)

O gerenciador de arquivos seria um espécie de Finder. Teria os folders “Aplicativos”, “Músicas”, “Imagens”, “Vídeos”, “Documentos” e “Sistema”, além de ícones que aparecessem para cada cartão de expansão de memória inserido. Claro, o usuário poderia personalizar esta hierarquia, criando novas pastas. Dentro de cada pasta ficariam os “bundles” e os documentos do usuário. Como o sistema seria sempre mono usuário, não necessitaria uma pasta “Users”. Porém, por motivos de segurança, o usuário rodaria o sistema numa conta limitada, e seria solicitado de uma senha de manutenção ao tentar instalar algo que modificasse o sistema (mudasse arquivos na pasta “Sistema”), mas não ao instalar aplicativos simples que não necessitassem de privilégios especiais (na pasta “Aplicativos”).

Resumindo, seria um Mac OS light, um Mac de bolso. Seria o PDA dos meus sonhos. O Palm OS é um descendente do Mac OS, mas pelas desaventuras administrativas da PalmSource parece que não irá deixar uma cria digna. Seria um ciclo cósmico se fechando se o Mac OS se tornasse o novo sucessor do Palm OS. E por utilizar o mesmo framework de desenvolvimento que o Mac, estimularia o desenvolvimento de aplicações próprias.

E não me venham falar no Newton.

3 comentários em “Se a Apple fizesse um sistema operacional para PDAs…

  • Pingback: Projeções do passado: “Se a Apple fizesse um sistema operacional para PDAs…” | macnarama

  • 1 de junho de 2005 em 9:59
    Permalink

    Prezado Heitor:

    Não acredito que seja um hardware tão específico assim. A Apple tem utilizado padrões de mercado como portas USB 2, discos Serial-ATA e memórias DDR. Obviamente, ela tem que manter sua criação, que é a arquitetura Macintosh propriamente dita, encerrada na sua placa-mãe e ROM, acompanhada de um software de qualidade, como mesmo disseste.

    Sobre arquiteturas CISC (Complex Instruction Set Computer) e RISC (Reduced Instruction Set Computer), é difícil fazer uma comparação direta, já que são paradigmas diferentes de resolução de um problema, e cada um deles tem vantagens e desvantagens.

    Sobre PDAs, eu tenho uma visão um pouco diferente do Drebes, e talvez diferente da tua, porque não acredito que a Apple irá desenvolver um produto que seja semelhante a um Palm ou Pocket PC. Penso que a Apple irá desenvolver produtos específicos com algumas capacidades extras. O iPod, por exemplo. Ele é um tocador de MP3 que permite que eu tenha guardado meus endereços e compromissos, que é o que eu exijo de um assistente pessoal.

    Lembrando o Newton, lembramos que Steve Jobs matou-o. De fato, este não é o caminho.

    Saudações macmaníacas!

  • 1 de junho de 2005 em 3:04
    Permalink

    Você deveria dar uma olhada:
    http://www.nokia.com
    http://www.maemo.org

    Acho que o grande problema dá Apple é ter bons softwares mas num hardware muito específico.

    Ao contrário do que muita gente pensa, em muitas tarefas o RISC tem dificuldades que o SISC não tem. Não dá pra achar que só há vantagens no hardware da Apple.

    Nos PDAs eles podiam ser mais modestos. Essa idéia da Nokia com Linux como SO podia ser o ponto de partida para um PDA Apple com uma GUI que tenha a cara da empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *